sexta-feira, 11 de março de 2011

Meu carnaval em São Lourenço do Sul/RS


Olá, pessoas!
Após muito refletir no que fazer durante o carnaval, chegamos (Ju e eu) a conclusão que o melhor lugar para se ir é para longe do litoral. Optamos por São Lourenço do Sul/RS, no camping municipal.
Acampamos no ano passado em Riozinho, foi muito bom, mas bem restritivo, tanto com relação a alimentação quanto a higiene. Seguindo este raciocínio arrumamos as coisas e levamos apenas o básico, algumas poucas mudas de roupas, uma barraca, livros, baralho, espírito de índio, enfim, aquele kit basicão para os aventureiros de camping.
Fuca revisado e abastecido fomos rumo a incerteza. O caminho é bem bacana, paisagem bem diferente da que estamos acostumados indo para a praia. O horizonte é mais longo, o ar é mais quente e úmido e o caminho é bem mais longo. A pista é de mão dupla boa parte do tempo. Passou um tempinho e BAM! Um pedágio! 7,50 lixas! Anda mais um pouquinho e ZÁZ! Outro pedágio! 7,50 mangos! Daí passaram mais umas arvorezinhas, mais uns passarinhos, algumas pontes mais e CATAPIMBA! Outro pedágio! E este é o chefão, pois a facada foi de 7,80 pilas! Pensei em retornar, já que o dinheiro já estava no fim, mas pensei que a volta seria bem complicada, tendo em vista que teria de passar pelos mesmos pedágios... Resolvi prosseguir.
Não foi difícil de encontrar, a sinalização é boa, a estrada razoável (mas não justificam os R$ 22,80 que paguei de pedágio). Os viventes são bem receptivos, nos deram meia dúzia de informações que nos levaram a chegar "facinho" no camping.
Ao chegar fomos fazer o check-in, sim, todos são devidamente interrogados (preenchimento de duas folhas contendo sua vida), marcados (empulseirados) e liberados depois de mais ou menos meia hora.
Procurar um lugar foi bem fácil, apesar do enorme espaço disponível. Os lugares próximos a entrada já estavam ocupados e cheiravam igual ao banheiro público de uma praça em Cotonou (na África). Andamos mais um pouquinho, passamos por alguns cuscos e vimos um ônibus, era a biblioteca móvel. Bem interessante, mas estava fechada. Andamos mais um pouquinho e achamos o lugar perfeito, de frente para uma fenda na mata local que dava acesso a vista de uma nesga da Laguna dos Patos. Apeamos ali mesmo e iniciamos os trabalhos de montagem do acamps.
Olha, arrisco a dizer que se procurássemos mais não encontraríamos um lugar tão bom como aquele que escolhemos. Era muito bom! Vizinhos tranquilos, ventinho corrente, vista da nesga da laguna, barulhinho de ondinha, besouros, formigas e mosquitos bem comportados, enfim, tudo tranquilo e sereno como o descanso de carnaval deve ser. Não vou narrar todos os acontecimentos para não me alongar em demasia, portanto focarei nos detalhes mais marcantes.
Primeiramente foi o choque pela constatação de que estou completamente desatualizado dos materiais que devem ser levados para um camping. A seguir listarei à esquerda o item que entendo pertencer a um camping e à direita os itens que observei em mais de 80% do camping:

"Speks" X Estacas
Cordinhas de nylon X Cordas duplas e por vezes triplas
Barraca estilo iglu X Tendas de todos os tipos, só não vi casa de alvenaria
Esteira de palha para sentar ao chão X Sofás, cadeiras de alumínio, poltronas e espreguiçadeiras
Snacks tipo Cheetos e água no cantil X Fogões com forno, churrasqueiras portáteis, etc...
Isopor com gelo X Freezers verticais e horizontais, inclusive duplex
Livros X TVs de diversas polegadas e jogos on-line em NoteBooks

Enfim, deu para entender, né? Pena não termos levado a máquina fotográfica, merecia o registro, mas ficou bem registrado em minha mente aturdida pela ignorância de como aproveitar uns dias ao relento.
Lá pelas tantas, após já ter tomado uns três banhos na laguna, passei próximo a um campinho de vôlei e percebi uma placa dentro da água que dizia "Impróprio para o banho". Eu imaginava que esta placa deveria estar na entrada no camping, não acham? Mas eu não entendo nada de camping, então deve estar certo.
Preciso comentar uma decisão de minha amada. Fomos ao centro comprar algumas coisinhas no supermercado e, ao passar em frente a uma loja de variedades, resolveu comprar uma imensa bóia rosa. Confesso que o objeto flutuante estava uma pechincha, mas o tamanho (ela estava cheia) tornava impossível de transporta-la até o camping dentro do fuquinha, pelo menos eu achava que não dava, o fato é que foi, parecendo uma trufa de chocolate branco vazando mousse de morango por todos os lados, mas foi. Nos divertimos muito com a bóia rosa, fomos uma atração a parte.
Ao final do último dia (terça de carnaval) nos aprontamos para zarpar da cidadezinha rumo a capital. Arrumamos tudo e partimos. Como eu havia utilizado apenas um quarto de tanque para fazer o trajeto de ida, imaginei que gastaria mais um quarto para retornar, lógico não? Ledo engano, a gasolina sumiu rapidamente do tanque e vivemos momentos de tensão até vermos um posto e pararmos para abastecer. No mais foi tudo tranquilo, até o dia seguinte.
Na manhã de quarta, enquanto rumava para o trabalho, liguei o rádio, como de costume, e recebi a notícia de que São Lourenço do Sul estava abaixo d'água, o rio transbordou e cidade se encheu de água. Mais tarde, já em casa e em frente a TV, vi imagens da cidade completamente transformada, tudo alagado e revirado pela força da enxurrada. Uma imagem aérea mostrou rapidamente o camping onde estávamos, tudo abaixo da água, pude ver apenas um MotorHome quase dentro da laguna, emborcado. Que loucura! Se tivéssemos prolongado um dia a mais do nosso feriado estaríamos presos (na melhor das hipóteses, tendo em vista que já foram confirmadas nove mortes) e não conseguiríamos retornar até domingo, que é o prazo limite para liberação da estrada castigada pelo desastre.
É com pesar e espanto que termino o post, desejando força e sorte aos moradores daquela cidade, que se mostraram muito receptivos e simpáticos conosco enquanto estivemos acampados por lá.
Até mais!

2 comentários:

Ju... disse...

Sobre a chegada no camping: a revista íntima foi dolorida, né? :P

Sobre a estrutura de TODOS os nossos vizinhos: aquele pessoal não brinca em serviço...

Sobre a tua não-citada vitória esmagadora na canastra: vai à pqp!!!

p.s.: foi uma ótima viagem!

Marc Wolk disse...

Pois é, amorecon de mi vida!
Eu já tinha falado da bóia rosa, não quis massacrar com a vitória maiúscula na canastra. Viu como sou querido?
Sobre a revista íntima só tenho uma declaração: nem dói nada!
Bessos!